Fernanda Goucher

Meu universo em arte

Textos



( Foto tirada do Google )


Volúpia
 
Tais quais as noites anteriores,
outro sexo louco, se sucedeu.
Perdido, confuso e duvidoso,
sem carinho, o ato! Se perdeu.
 
Mais um pro nada, pro menos.
Diminuindo a sua autoestima,
que já se encontra na negativa,
consumida, pelos seus medos.
 
A carne fica cada vez mais fraca,
quando a alma se vende barato.
A volúpia! Consome como praga.
 
O ser em decadência e entregue,
às garras da perdição de sua vida,
que nas trevas persiste, e segue.

( Este soneto é uma obra de ficção )
Fernanda Goucher
Enviado por Fernanda Goucher em 14/08/2019
Alterado em 14/08/2019
Copyright © 2019. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras